14.11.09

Espetaculo MAR(ia-sem-ver)GONHA - SESC Garagem 2009 - percurso




1 Comments:

Blogger corpos said...

Trapacear como carícia faz parte do blefe, mas também aproxima os que gostam do jogo e suas válvulas de segredos e secreções. Com a carne comprimida, devem ser mais difíceis movimentos rápidos. O instinto também se comprime. Mas não me importa se é cintinha ou se cortam as mãos para meter o braço todo. Estamos abertos para novos jogos, jogo sem identidade, jogo que se faz no ato, cutucando o outro e fazendo cara de sacana.
O primitivo jogo de roçar nas coisas para provocar efeito sem causa e ver como elas reagem. Tem efeito sem causa? Tem efeito sem causa quando roço na ponta do sofá e de repente siririca? Prossigo e orgasmo. Trata-se de efeito sem causa ou de causa causada, muito bem desejada, na hora certa, no momento exato de levantar a angústia, parar o tempo e derramar o gozo. Roçar no efeito, acariciar a causa, entrar no jogo e deixar reagir. Deixar o efeito, entrar na causa, roçar no jogo, acariciar no tesão.
Guileta, baleba, bilosca, biloca, bila, birosca, bolita, bugalho, búraca, búrica, bute, cabiçulinha, clica, firo, guelas, peteca, pirosca, ximbra, filistrinho, boleba, bolega ou bola-de-gude.2
Jogo sem identidade, ramificando-se na lógica abstrata do presente, multiplicando-se e contaminando o centro do estômago, fazendo suar a pele a ponto de dar vontade de estar nu, quieto, sentindo o cheiro do vento, olhando ao redor, outros corpos exaustos. Depois do riso, a Baré gelada para os garotos. Para a alma crescida, banho de cevada.
– Dina, essa cinta não tá funcionando, devolve meu dinheiro. Porra!
Dina responde:
– Vai tomar no cu! É cinta, segura um pouco, mas não faz milagre, porra! Dinheiro é o caralho, vê se tira o cu da cama e trata de rebolar essa coisa.
Chegamos ao ponto bom da ideia, a possibilidade de ser coisa alguma, ser coisa, ser coiso. Minha alma é uma coisa. Minha tara é uma coisa. Esse aí é uma coisa. Ia-sem-ver tateando as coisas. Coisa é morada do segredo que guarda a possibilidade de ser qualquer.
Dina mora na 713, transa com 7, aposta 15 no 8, ganha 6, devolve 4, empresta 5 e vende cintas modeladoras. Coisa de Dina acreditar no 8. Quando me esqueço das coisas, removo o significado inicial, vermelho-delete, sigo para o preto das tinteiras, desenho, acho outro, represento a nova forma, me lembro do sobrenome, sobreponho ao esquecido, perco o senso, canto.
Sinto como as coisas podem ser um jogo de perder o medo e misturar-se à terra, ao asfalto, ao couro do inimigo, ao bafo das torcidas. Perder o medo, cintilando em ignorância e raciocínio, fazer carne moída no asfalto, fazer alongamento no meio da rua, fraturar as estruturas.
A percepção da orquestra contemporânea é encosta – modos de percepção se multiplicam, são enceradeiras no ferro-velho –, poros da terra em transe reconstituem réguas, eixos, paisagens, significados... As paixões são efervescentes como comprimidos de vitamina C. O copo americano percebe-se pedaço do boteco, a rolha esconde o vinho, nova lógica da borbulha.
No trampolim, o homem de gravata se concentra para o salto triplo. Subir na parada de ônibus e encontrar um livro de 1957. Lê-lo e distribuir as folhas rasgadas como se o tempo fosse vento, ventando a efemeridade para torná-la fuleragem. Lá de cima, com os olhos cerrados, as fibras dilatadas, o gel no cabelo, saca o batom do bolso, passa nos lábios e salta. Um salto alto de ornamentos, livre, alongado, de um céu arco-íris até o azul da piscina.
Chega uma hora do dia em que todos temos que nos alongar. Um alongamento intenso. Alongar o tato, alongar as partes ditas mortas, qualquer coisa que esteja parada dentro. Liquefazer as certezas, imprimir outras, certezas da intuição e do plano espiritual, místico. Mas também certezas das 11 mentiras. A fulerage-m-ente. A palavra como mentira, a mentira como liberdade. Assim, ir deslizando até chegar ao nada, onde ficam somente impressões de sentidos aguçados. Escritura do vazio. Vazio dos milhões de movimentos descontínuos, tecendo uma ideia solta,

October 4, 2011 at 9:15 AM  

Post a Comment

<< Home