1.6.05


fios conectivos.

4 Comments:

Blogger Bia Medeiros said...

Sintagmas

Sintagmas, instalação realizada nas pilastras das marquises do Complexo Cultural FU-NARTE dentro do projeto Athos Visuais: marquise brasiliense longa que cruza o Eixo Mo-numental quase de lado a lado; marquise surrealista que vai de nenhum lugar a lugar algum. De quase todos os lados o verde gritando. Ali não havia possibilidade de utilização de tec-nologias, mas uma necessidade: sair da galeria e ocupar o espaço urbano.

A intervenção na marquise, que estava exposta aos transeuntes e podia ser vista a distância, de carro, surgiu como uma outra possibilidade de buscar o corpo da telepresença. Aqui também optamos pela fotografia como base do trabalho. Essa fotografia foi também distor-cida e retrabalhada. A foto perfeita com imagem bem definida das outras exposições foi substituída pela fotocópia e sua possibilidade de infinitas reproduções.

December 1, 2005 at 6:02 PM  
Blogger Bia Medeiros said...

A perfeição dos corpos femininos ideais impressos nos outdoors em escala industrial é ob-jeto de desejo, se confundindo com as marcas e objetos que anunciam. O corpo-marca ven-dável está exposto sem sutilezas. Como colocar no ambiente público o corpo pleno de dese-jo do real, sem cair facilmente no apelo do consumo? Voltamos ao corpo em telepresença e a forma como este joga, em performance, com as potencialidades do próprio suporte sub-vertendo sua função habitual.

Hiperampliadas, imagens dos detalhes de corpos fotocopiados se transformaram em formas granuladas de claro/escuro e, sendo trabalhadas em baixa qualidade, ocultaram, na geome-tria inicial, os trechos de corpos, pedaços de um mesmo corpo, que se aproximaram do sen-sual pelos ângulos originais, mas que ao serem recortados abriaram-se para novos olhares que tentaram completar o desenho sinuoso. O que vinha depois da dobra, contudo, era uma outra dobra resultante da cópia infinita/finda de um corpo reproduzido e produzido através da repetição de padrões. As imagens de Sintagma, impressas espelhadas, criavam padrões geométricos que só se transmutavam em pele aos olhares mais atentos.

December 1, 2005 at 6:02 PM  
Blogger Bia Medeiros said...

Novamente o corpo sensual foi instalado na forma de uma linha; uma linha formada pelas imagens coladas em cada pilastra. A perspectiva das 32 pilastras mostrava o corpo frag-mentado. Esse podia ser visto dos carros que circulavam no Eixo Monumental e nos retor-nos.

A permanência dos trabalhos de intervenção urbana gerou modificações na instalação e, como todas as propagandas coladas grosseiramente em colunas de concreto, algumas ima-gens foram arrancadas no decorrer da exposição. A performance dos passantes tem o mes-mo efeito da feita pelos performers do grupo em Ctrl C_CtrlC II: o corpo rasgado, agora, sem cuidados cirúrgicos, a repetição quebrada, sem reparos, dando lugar ao momento do desvio

December 1, 2005 at 6:02 PM  
Blogger Bia Medeiros said...

Esse trabalho gerou outra intervenção urbana realizada, em Brasília, na passarela 109/209 Norte: as mesmas imagens, a mesma linha. Por iniciativa do GPCI, foram chamados cerca de trinta artistas que, em 8 de agosto, realizaram o A.CON.TE.CIMENTO (http://corpos.blogspot.com em 08/06/2005). As imagens foram ainda enviadas ao Experi-ência de Imersão Ambiental (EIA) e se tornarão intervenção urbana em São Paulo pelas mãos de outros artistas.

December 1, 2005 at 6:03 PM  

Post a Comment

<< Home