26.10.04

CORPOS INFORMÁTICOS

CORPOS INFORMÁTICOS
Grupo de Pesquisa em Arte Contemporânea


EFFICACI®REALIDADE

“INDIOFORMÁTICOS em noites infindáveis de sorrisos cortados suplicam ‘beijem-nos’ antes que o substrato de
nossas ações se torne figura de retórica.”

O questionamento que norteia a pesquisa do Grupo CORPOS INFORMÁTICOS, por mim coordenado, refere-se à relação homem-máquina, à secante corpo/novas tecnologias sendo estas últimas tomadas como fundadoras do organismo simbólico do indivíduo contemporâneo. Pensamos em um equilíbrio para o sistema ecológico deste organismo simbólico, agora, em acelerada modificação permanente.

O corpo animal do homem questiona a efficaci®realidade do universo tecnológico. O corpo é o sujeito, e o maior objeto, das novas tecnologias. Na publicidade, o corpo não é corpo vivo e contraditório. Ele, aí, não é o lugar da “verdade subversiva do desejo”. (1) O corpo veiculado pelos meios de comunicação unidirecional, ditos, de massa, é um corpo “erotizado” com uma significação sexual planificada e calculada, ele é esvaziado do desejo. (Qual desejo? Em meio de comunicação unidirecional não há espaço para uma reflexão imagética, ou teórica, desta ordem). O corpo, aí, não é nem carne, nem sexo, mas objeto transformado em signo por abstração e semiologização: signo com uma função social de troca. Pela valorização destes “corpos”, o indivíduo é levado à se privar de seu corpo orgânico. Obcessão: higiene e asepsia. Corpo-objeto, objeto de culto a ser cuidado, limpo, tratado.

A partir dos anos 20, mas, sobretudo, a aprtir dos anos 50, o artista plástico torna-se o sujeito da arte e seu corpo objeto. Performances, happenings ameaçam os contornos das artes plásticas. Belas-Artes? As outras linguagens artísticas também trans-bordam. Dois elementoos são fios condutores de perturbações: o corpo e o tempo como elemento estético.

“Particularmente, hoje em dia, o real não é mais do que isto: estocagem de matéria morta, de corpos mortos, de linguagem morta.”(2) A linguagem corporal, corpo real, dificilmente se tornará linguagem arcáica e comprometida. O corpo humano e sensual, secreções e contaminações, é processo e efêmero. Por sua opacidade se opõe à “transparência” conceitual, ele é ruptura e revela o indizível, condição da arte, como queremos, com Barthes.

A linha (o desenho, a pintura) têm em si um eco do corpo, “os desenhos são irmãos dos textos em pressão de angústia”(3), então os desenhos são também irmãos dos textos em pressão de prazer. Sobre o papel a linha escorre livre, ela não segue as paralelas do caderno, ela toma toda a página, de cima em baixo, da direita à esquerda. Em desenhos, o gesto se destaca, se desgarra em uma direção onde não podemos surpreendê-lo. Assim estes são irmãos dos textos em pressão de prazer e em intensidade de gôzo. O corpo, desenhando no espaço tridimensional um momento “infinito enquanto dure”(4) e efêmero, não somente com a mão e o braço, mas com todos os seus membros e membranas, não pode ser linguagem, código. Ele desafia e gera descarrilhamento da inteligência, risco de ilimitação, desmantelamento das fronteiras da identidade, enfim, prazer estético.

As teorias filosóficas, assim como a percepção e o senso comum, imobilizam. Pensamos por conceitos durante séculos. Hoje nasce uma compreensão da realidade que nos sensibiliza para o tempo (e para os conceitos) como processo. O aparecimento da ecologia é uma das consequênicas desta nova compreensão. O prazer estético contemporâneo reinvindica o tempo como elemento estético presente nas “artes do tempo”(Gillo DORFLES): performance, happening, instalações efêmeras, vídeo-arte, e computação gráfica. Nas duas últimas existe ainda uma outra linha de reflexão: a espacialidade gerada por cor-luz emitida.

“E se a obra pressupõe a travessia da transitoriedade para buscar o tempo em estado puro ela se colocará, também, do ponto de vista da elaboração, numa situação temporalmente indeterminada, entre dois horizontes, o do começo, numa abertura indefinida para o antes, e o do fim, numa perspectiva indefinidamente aberta para o depois. … o tempo… assumí-lo como meio envolvente, em que se transita e em relação ao qual o começo e o fim não são instantes absolutos mas, respectivamente, paisagem de origem e nostalgia de completude.” (5)


A vídeo-arte possibilita a transcrição de secreções e contaminações se exprimindo em faíscas de prazer, de angústia. Ela pode trazer à tona o corpo-signo energético, signo questionador da positividade tecnológica, efficaci®realidade, deste mídia, a teoria da cor-luz (a ser escrita), o tempo como elemento estético, questões de autoria, de obra única, de imutabilidade de conteúdos… A vídeo-arte, mas sobretudo, o computador pessoal (futura televisão interativa), suporte comunicacional (pluri-direcional), não mais permitirão um retôrno à arte estática, duradoura e individual. No entanto, na computação gráfica, o corpo é simulacro deste signo. Que corpo para as redes de comunicação?

O corpo, tornado signo na linguagem videográfica, circulando em mídia digital interativo, deixará sobreviver o risco de ilimitação, de desmantelamento das fronteiras da indentidade, ou ainda, que resquícios, que centelhas de hipoícone “sobreviverão” em corpos algorítmicos? Que consequências para a ecologia simbólica dos indivíduos e da sociedade?
__________________

(1) BAUDRILLARD, Jean, “La société de consommation”, Idées/Gallimard, Paris, 1970, p 213.
(2) BAUDRILLARD, Jean, “Oublier Foucault”, Galilée, Paris, 19777, p. 63.
(3) LYOTARD, J.-F., “Dérive a partir de Marx et Freud”, UGE, col. 10/18, Paris 1973, 320pp.
(4) Vinícius de Moraes.
(5) SILVA, Franklin Leopoldo e, “Bergson, Proust. Tensões do tempo”, in NOVAES, Adauto, Tempo e História, pp. 141 à 153, p.152.

Bia Medeiros
Brasília, 1995



Grupo de Pesquisa CORPOS INFORMÁTICOS
coordenação: Professora Doutora Maria Beatriz de Medeiros
Pesquisadores: Alice Stephanie, Carla Rocha, Frederick Sidou, Gisele Alvarenga, Katiana Donna, Maria Luiza Taunay, Milton Marques, Ramon Sodoma, Robiara Becker.

Email: corpsinf@unb.br

1 Comments:

Blogger Bia Medeiros said...

vi o por do sol ontem, as folhas das árvores, todas em tons patéis, vermelhas... e o amarelo! muita luz, lindo! daqui uma semana todas as folhas terão ido... as árvores ficarão peladas...

November 1, 2004 at 12:03 PM  

Post a Comment

<< Home